Dedetização de Escorpiões – segurança dentro de casa

Programa Proteção BayerDedetização de escorpiões no Rio de Janeiro é com a Insect Bye! Atuamos no processo de controle e combate de escorpiões com as mais modernas técnicas e produtos disponíveis no mercado. A dedetização de escorpiões que a Insect Bye oferece é realizada por uma equipe qualificada, que visa garantir sempre os melhores resultados e segurança para os clientes.  

Biologia do Escorpião

Os escorpiões pertencem à classe Arachnida, ordem Scorpionida. Eles pertencem a três famílias: Bothriuridae, Luridae e Buthidae. São os aracnídeos que atingem o maior tamanho, podendo chegar a 20 cm. Além de suas 8 pernas, possuem um par não-ambulatorial, que em machos atuam do processo de reprodução. Em suas cabeças, possuem enorme quelíceras, que funcionam como um alicate. Suas caudas são composta de seis segmentos que terminam em uma agulha fina e curva, onde fica a passagem do veneno. Os escorpiões vivem principalmente em áreas quentes e secas. Durante o dia, abrigam-se sob pedras, pedaços de madeira, casca de árvores, detritos, folhas e são muito ativos durante a noite em busca de alimento. Nos meses quentes de verão procuram locais mais frios e podem entrar nas casas e se esconder em cozinhas, banheiros, sótãos, no interior de calçados, etc. Passam a maior parte de suas vidas em cavernas e lugares escuros, como armários ou móveis de cozinha. Eles são encontrados em esgotos, tubos e sob os vasos. Seus inimigos são as formigas que pode forçá-los a sair de suas cavernas. Alimentam-se de insetos (preferem aranhas), mas também podem comer indivíduos menores de sua própria espécie. A picada de escorpião é um problema sério de saúde pública. Podem atacar caso sintam-se ameaçados ou assediados de forma intencional ou acidental, podendo causar uma dor aguda comparável à de abelhas ou vespas, sendo mais grave para pessoas hipersensíveis.

Principais espécies:

  • Tityus serrulatus: conhecido como "escorpião amarelo", é a principal espécie que causa acidentes graves, com registro de óbitos, principalmente em crianças. Aparência: possui as pernas e cauda amarelo-clara e o tronco escuro; a denominação da espécie é devida à presença de uma serrilha nos 3º e 4º anéis da cauda; mede até 7 cm de comprimento. Reprodução: sua reprodução é partenogenética, na qual cada mãe tem aproximadamente dois partos com 20 filhotes (em média) cada, por ano, chegando a 160 filhotes durante a vida. Distribuição geográfica: antes restrita a Minas Gerais, devido à sua boa adaptação a ambientes urbanos e sua rápida e grande proliferação, hoje tem sua distribuição ampliada para Bahia, Ceará, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Pernambuco, Sergipe, Piauí, Rio Grande do Norte, Goiás, Distrito Federal e, mais recentemente, alguns registros foram relatados em Santa Catarina.
  • Tityus bahiensis: conhecido por "escorpião marrom" ou "preto".  Aparência: tem o tronco escuro, pernas e palpos com manchas escuras e cauda marrom-avermelhado; não possui serrilha na cauda e o adulto mede cerca de 7 cm; o macho é diferenciado por possuir pedipalpos volumosos com um vão arredondado entre os dedos, utilizado para conter a fêmea durante a “dança nupcial” que culmina com a liberação de espermatóforo no solo e a fecundação da fêmea. Reprodução: cada fêmea tem aproximadamente dois partos com 20 filhotes (em média) cada, por ano, chegando a 160 filhotes durante a vida.  Distribuição geográfica: é a espécie que causa mais acidentes em São Paulo, sendo encontrado ainda em Minas Gerais, Goiás, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina, e Rio Grande do Sul.
  • Tityus stigmurus: conhecido como o "escorpião amarelo do Nordeste", assemelha-se ao T. serrulatus nos hábitos e na coloração, porém apresenta uma faixa escura longitudinal na parte dorsal do seu mesossoma, seguido de uma mancha triangular no prossoma; também possui serrilha, porém, menos acentuada, nos 3o e 4º anéis da cauda. Distribuição geográfica: é a espécie que causa mais acidentes no Nordeste, presente em Pernambuco, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Alagoas, Rio Grande do Norte e Sergipe.
  • Tityus paraensis: conhecido por "escorpião preto da Amazônia". Aparência: quando adultos, possuem coloração negra, podendo chegar a 9 cm de comprimento, porém quando jovens, sua coloração é bem diferente, com o corpo e apêndices castanhos e totalmente manchados de escuro, podendo ser confundido com outras espécies da Região Amazônica; macho e fêmea são bem distintos, sendo que o primeiro apresenta os pedipalpos bastante finos e alongados, assim como o tronco e a cauda em relação à fêmea. Distribuição geográfica: espécie comum na Região Norte, principalmente no Pará e Amapá; recentemente, alguns exemplares têm sido encontrados no Mato Grosso.
 

Prevenção e combate: dedetização de escorpiões

Mantenha limpos quintais e jardins, não acumule folhas secas e lixo domiciliar, acondicione o lixo domiciliar em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados, e entregue-os para o serviço de coleta. Não jogue lixo em terrenos baldios. Elimine fontes de alimento para os escorpiões: baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados. Verifique se não há alguma brecha que possa servir de esconderijo. Mantenha a dedetização da casa em dia. Para isto, chame a Insect Bye, garantia de uma dedetização de escorpiões de qualidade.